Sebrae orienta pequenos produtores de Brumadinho sobre acesso a mercados

Sebrae orienta pequenos produtores de Brumadinho sobre acesso a mercados

 Evento on-line na próxima quinta-feira (20/8) vai apresentar o Plano de Negócios para Agricultores Familiares, ferramenta que vai ajudar os empreendedores no planejamento e na tomada de decisões 

O último Censo Agropecuário, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2017), constatou que 84,4% das unidades de produção agrícola brasileira correspondem à agricultura familiar. Apesar de ocupar pouco mais de 24% do território nacional, a atividade é responsável pelo fornecimento da maior parte dos alimentos básicos da população e por cerca de 70% dos empregos no campo.

Percebendo a importância do setor para o município de Brumadinho, o Sebrae Minas, em parceria com a Fazenda Alegria e a Emater, realiza no dia 20/8, das 17h às 18h, o lançamento do Plano de Negócios para Agricultores Familiares: entenda por onde começar. Os interessados em participar do evento on-line já podem se inscrever neste link.

De acordo com a analista do Sebrae Minas Fernanda do Carmo, o projeto é uma ação conjunta com os produtores rurais de Brumadinho, que busca sensibilizar os empreendedores do município que atuam na agricultura familiar sobre os benefícios do uso do plano de negócio como uma ferramenta de suporte à tomada de decisão para o produtor rural.

“A ideia do encontro é promover uma conversa com os produtores rurais sobre a importância de analisar os concorrentes, os fornecedores e o mercado alvo no qual se deseja trabalhar, de definir um posicionamento de mercado. Como esses agricultores pretendem se inserir no mercado de orgânicos, falaremos um pouco mais sobre esse segmento, trazendo alguns cases para exemplificar as boas práticas.”

Força empreendedora para o pequeno produtor

O agrônomo da Fazenda Alegria, Antônio Márcio, foi um dos responsáveis por abrir a demanda junto ao Sebrae. Segundo ele, o pequeno produtor foi bastante impactado após o rompimento da barragem de rejeitos da Vale. Então, várias empresas e parceiros começaram a fazer um trabalho para levar ajuda ao município. O Ministério da Cidadania, o grupo Aliança por Brumadinho, a Secretaria Municipal de Agricultura, assim como as cooperativas da região são alguns exemplos.

Desde o início deste ano, atividades mensais para capacitar os pequenos agricultores já eram realizadas. Os participantes aprenderam sobre composto orgânico, semeadura, entre outros assuntos de relevância. Após a pandemia, os encontros foram suspensos e foi então que surgiu a ideia de realizá-los de forma on-line.

“A ação é voltada para o produtor de orgânicos do município. Os pequenos negócios precisam se capacitar. O Sebrae já tem mais expertise, por isso, procuramos apoio para levar conhecimento, agora em forma de live. Cerca de 30 participantes são esperados para conhecer melhor a importância do Plano de Negócios para Agricultores Familiares, assunto mais votado para esse encontro”, destaca.

Saiba como o Sebrae atua no segmento de Agricultura acessando o conteúdo disponibilizado no link.

Plano de Negócios para Agricultores Familiares: entenda por onde começar!

Dia: 20/08 (quinta-feira)

Horário: 17h às 18h

Inscrição: Acesse o formulário no link

Assessoria de Imprensa | Prefácio Comunicação 

Aline Reis – (31) 3292-8660 | (31) 99934-0658

aline@prefacio.com.br

Richard Novaes – (31) 3292 8660 | (31) 98884-0255

richard@prefacio.com.br

Trabalhadores do Parque da Cachoeira visitam a Feira do Empreendedor

Trabalhadores do Parque da Cachoeira visitam a Feira do Empreendedor

Empreendedores afetados pelo rompimento da barragem em Brumadinho receberam orientações do Sebrae Minas

A Feira do Empreendedor foi um ponto de encontro de muito aprendizado para oito trabalhadores do Parque da Cachoeira. Com incentivo da ONG NaAção e do Sebrae Minas, o grupo foi conferir as atividades da 8ª edição do evento, que ocorreu de 16 a 19 de outubro, em Belo Horizonte. Na Feira, os empreendedores receberam atendimento especializado e participaram de palestras gerenciais.

A comunidade do Parque da Cachoeira foi uma das regiões mais afetadas com o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho e os moradores lutam para reconquistar o que foi perdido. “Aproximadamente 60 famílias de agricultores tiveram suas plantações devastadas. É uma comunidade muito afastada e identificamos um grande potencial de desenvolver um projeto para a região. Existem muitas pessoas lá que querem aprender algo e que têm empreendimentos formais e informais,” destaca o analista do Sebrae Minas Renato Lana.

Vanessa Cristiane foi uma dessas pessoas que visitou pela primeira vez a Feira do Empreendedor e descobriu ferramentas que vão ajudar a potencializar seu negócio. Ela é integrante de um coletivo de mulheres criado pela ONG NaAção.  “Participar da feira foi muito importante, porque cada pessoa do grupo trabalha fazendo uma atividade diferente da outra. Eu sou responsável por um salão, mas tem meninas que vendem pano de prato, salgados, quitandas e artesanato. Eu, por exemplo, aprendi sobre como fazer divulgação pelo WhatsApp e como administrar melhor meu salão,” diz Vanessa.

A Feira facilita o entendimento de alguns assuntos para os empreendedores, como foi o caso de Maria Raimunda, que produz doces, salgados, pães e bolos para vender na comunidade. “Tirei dúvidas sobre como colocar preços nas minhas mercadorias e como fazer o cálculo do que gastei. Achei muito interessante também saber qual a melhor forma de atender o público. Aprendi que é importante ligar para meus clientes e ver se gostaram do meu produto. Quando fiz, tive um retorno muito positivo, e uma cliente já me fez novas encomendas,” comemora a empreendedora.

Coletivo de mulheres

Ao todo, 24 mulheres participam do coletivo, que tem como propósito gerar mais renda para as empreendedoras e formar um grupo de liderança na comunidade do Parque da Cachoeira. A iniciativa começou quando a ONG NaAção chegou à região um dia após o rompimento da barragem, levando uma equipe de psicólogos que atuaram dando apoio aos afetados pela tragédia. A NaAção reuniu essas mulheres para fazerem aulas de cerâmica e foi a partir desse curso que se formou o coletivo. Desde então, a ONG vem dando estímulo aos moradores e propondo ações importantes.

No dia 14 de setembro foi realizado na comunidade o Festival Floresça, que contou com uma programação repleta de atividades com shows musicais, brincadeiras para as crianças, venda de produtos e comidas nas barracas montadas, entre outros atrativos. Todo o lucro do festival foi entregue para as mulheres que fazem parte do coletivo.

“A intenção do festival foi movimentar a economia, trazer turistas para o Parque da Cachoeira e, principalmente, dar visibilidade para a comunidade, uma das regiões mais atingidas pelos rejeitos. As pessoas entendem que a barragem é de Brumadinho, mas poucos sabem que as comunidades que foram realmente atingidas pela lama ficam um pouco distantes da cidade, como é o caso do Parque da Cachoeira,” afirma Sophia Guimarães, voluntária e integrante da ONG NaAção.

Feira do Empreendedor

A Feira do Empreendedor é o principal evento de empreendedorismo realizado pelo Sebrae Minas e acontece a cada dois anos na capital mineira. A 8ª edição da Feira foi voltada para empresários que procuram implementar ou impulsionar seus negócios, pessoas que querem soluções para desafios de gestão e para Microempreendedores Individuais (MEI) que buscam ter mais conhecimento sobre como melhorar seus serviços.

Durante quatro dias, cerca de 8 mil pessoas tiveram a oportunidade de participar de oficinas, palestras, debates e atendimentos individuais que abordaram diversos temas como finanças, empreendedorismo, marketing digital, gestão, inovação, legislação, entre outros. Foram mais de 400 atividades gratuitas oferecidas pelo Sebrae Minas e, que nesta edição, contou com patrocínio do Banco do Brasil e Bradesco e o apoio do BDMG, E-Commerce Brasil, Montapet, Sicoob e Unimed BH.

Venda de produtos orgânicos é garantia de sustento para agricultores de Brumadinho

Venda de produtos orgânicos é garantia de sustento para agricultores de Brumadinho

Produtores do Assentamento Pastorinhas apresentam seus produtos para donos de restaurantes de BH, durante visita organizada pelo Sebrae Minas

O Assentamento de Reforma Agrária Pastorinhas, área de agricultura familiar, se tornou referência no manejo da terra em Brumadinho. Lá, 20 famílias produzem alimentos orgânicos em harmonia com a floresta nativa preservada, que cobre cerca de 80% da área total. Os agricultores do assentamento tiveram a chance de apresentar esse modelo de produção para proprietários dos restaurantes de Belo Horizonte que participam do Circuito Gastronômico da Pampulha, durante uma visita que contou com apoio do Sebrae Minas, por meio do projeto Investe Turismo, além da Belotur e Prefeitura de Brumadinho.

O encontro possibilitou aos agricultores mostrarem que possuem qualidade e volume de venda . “Por já atuarem no mercado institucional, os agricultores daqui têm um potencial produtivo muito grande. O grupo do assentamento já tem um preço que se aproxima de muitos produtos da Ceasa, por exemplo, o que é extremamente atrativo para os donos dos restaurantes da Pampulha,” disse Renato Lana, analista do Sebrae Minas.

Assentamento Pastorinhas

O Assentamento Pastorinhas foi instituído pela Reforma Agrária e surgiu em 2001, quando alguns agricultores se conheceram em um projeto do Governo, que buscava cadastrar produtores rurais que não possuíssem terrenos. O programa identificou uma área improdutiva em Brumadinho, ideal para produção agrícola. Desde então, 20 famílias trabalham usufruindo da produção de alimentos orgânicos, que são vendidos para escolas, creches e outros estabelecimentos localizados dentro e fora do município.

Valéria Carneiro, uma das líderes do Assentamento Pastorinhas, percebeu como sua atividade vem se destacando. Como produzimos na linha agroecológica orgânica, temos chamado a atenção de pessoas que buscam uma alimentação livre de agrotóxicos.” O assentamento possui certificados comprovando que todo o procedimento dispensa o uso de defensivos. A água utilizada na plantação, inclusive, passa por uma análise a cada seis meses. “Nos comprometemos em tratar o esgoto e ter as análises de água para provar que ela não tem contaminantes. Esgoto e água tratados são procedimentos essenciais que testam a pureza do produto,” reforça Valéria.

Saúde e bem-estar

Com a larga escala de produção agrícola, o consumidor está cada vez mais preocupado com o alimento que ingere e questiona sua origem e suas condições de cultivo. Pesquisa feita pela Organis (Entidade Setorial dos Orgânicos), em 2019, mostrou que 26% das pessoas estão dispostas a iniciar o consumo de orgânicos. O estudo ainda destacou que 84% dos entrevistados relatam a preocupação com a saúde como um dos motivos para consumir alimentos livres de agrotóxicos e fertilizantes.

Além dos benefícios relacionados aos valores nutritivos de um alimento orgânico, existe um diferencial dos produtos vindos da agricultura familiar, cultivados em pequena escala  e sem o uso de produtos químicos, o que ajuda a proteger o solo, a água e as vidas animal e vegetal.

“Optar por produtos orgânicos faz total diferença para o nosso trabalho. Evoluímos também na parte de receitas e entregamos para nossos clientes um produto com sabor e qualidade superior. O alimento vai durar mais na sua cozinha, o que gera menos desperdício e maior aproveitamento da compra. Os produtos também chegam com preço interessante e, por isso, viemos conversar direto com produtores, para que essa proximidade gere negócios”, relata o proprietário e chef de cozinha do restaurante Paladino, Marcelo Haddad Guerra, um dos convidados da visita ao Assentamento Pastorinhas.

Proprietários de restaurantes do Circuito Gastronômico da Pampulha visitam assentamento de agricultura familiar em Brumadinho

Proprietários de restaurantes do Circuito Gastronômico da Pampulha visitam assentamento de agricultura familiar em Brumadinho

Com o apoio do Sebrae Minas, encontro teve o objetivo de  incentivar a compra de alimentos orgânicos produzidos por pequenos produtores

A região de Brumadinho tem um grande potencial na agricultura, que hoje representa a segunda fonte de renda do município. São cerca de 17 mil hectares voltados para a produção individual, segundo o IBGE. Diante disso, o Sebrae Minas procurou dar visibilidade e gerar negócios para os agricultores locais, por meio da realização de um encontro entre proprietários de seis restaurantes que participam do Circuito Gastronômico da Pampulha e produtores do Assentamento Pastorinhas. A ação, realizada por meio do projeto Investe Turismo, em parceria com a Belotur e a Prefeitura de Brumadinho, foi um primeiro passo para negociação da compra dos alimentos que são cultivados na região.

“Visitamos o assentamento com o objetivo de criar uma aproximação com os produtores, para que vendam os alimentos da agricultura familiar. O produto daqui se destaca por não ter o uso de defensivo agrícola e, com isso, os restaurantes que participaram do encontro poderão oferecer uma alimentação mais saudável e saborosa para seus clientes, reforça o analista do Sebrae Minas Renato Lana.

Atualmente, vinte famílias do Assentamento Pastorinhas sobrevivem do plantio de alimentos como mandioca, cenoura, brócolis, alface, pimentão, berinjela, feijão, além da criação de pequenos animais. Os agricultores utilizam técnicas sustentáveis, como é o caso da agrofloresta, um sistema que recupera a mata do entorno, aproveitando as condições naturais do ambiente para combater pragas e proteger insetos polinizadores. A maior parte do território do assentamento é remanescente da vegetação nativa. “A área de preservação conta com 142 hectares de Mata Atlântica secundária, e 10% do território são usados para a produção dos orgânicos,diz a produtora Valéria Carneiro, uma das líderes da iniciativa.

 O rompimento da barragem B1 da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, prejudicou os produtores do município. Agricultores das cidades vizinhas, como Mário Campos e Sarzedo, alugavam terrenos em Brumadinho para plantar. O rompimento da barragem afetou muito a comercialização do que é cultivado aqui. É importante que as pessoas saibam que nossos produtos não estão contaminados”, acrescenta Valéria.

Flávio Trombino, proprietário e chef do restaurante Xapuri, que recebe um público aproximado de 2 mil pessoas por fim de semana, foi um dos convidados do encontro. Nosso propósito não é apenas servir um produto de qualidade, estamos aqui porque nos importamos com o entorno. Quando fomentamos o crescimento dos pequenos negócios da região, eles se desenvolvem juntos conosco, afirma Flávio.

Circuito Gastronômico da Pampulha

Com 10 anos de realização, o Circuito Gastronômico da Pampulha se tornou uma das atrações mais tradicionais de Belo Horizonte e, para além de potencializar o turismo, tem como objetivo ajudar no desenvolvimento de ações que fomentam a gastronomia e a cultura local. No ano em que se comemora a décima edição do evento, os chefs dos 16 restaurantes que compõem o circuito buscaram inspiração nas histórias, saberes e produtos da região da Serra da Mantiqueira. A área, que se estende para São Paulo e Rio de Janeiro, envolve uma cadeia montanhosa com vasta vegetação e carrega particularidades dos empreendimentos que fazem parte desse trajeto.